Agrupamento de Escolas de Sabrosa

O professor do 1º Ciclo, Francisco Cuevas, SUICIDOU-SE, no Sábado.

Sendo professor de QE do Agrupamento de Escolas de Sabrosa, foi o ano passado obrigado a concorrer a DACL, porque o diretor lhe disse que não tinha perfil para continuar naquele agrupamento.

Tão baixo deitou a moral e autoconceito do professor que este optou pela carreira Administrativa. Mas as setas injetadas pelos órgãos de gestão da escola, levaram-no a um único recurso – suicídio- porque não se achava Alguém, nem as sucessivas depressões melhoraram com esta avaliação de QUEM PENSA QUE PODE MEXER COM OS SENTIMENTOS DAS PESSOAS E PÔR E DISPOR DELAS COMO BEM ENTENDEM….
Está para autópsia no CHTMAD e a esposa na unidade de Psiquiatria.

Vamos todos divulgar este e outros casos de mau uso e gestão do poder. Responsabilizar quem mata com ações e palavras e apelar aqueles que também já sentiram isso, de recorrer aos tribunais e divulgarem sem medos, as instancias superiores, aquilo que passam num sítio onde deveria existir bem-estar, alegria e vontade de estar, trabalhar….

DIVULGUEM E NÃO TENHAM RECEIOS,NEM ACEITEM AMEAÇAS,DAQUELES QUE SÃO PROFESSORES,MAS QUE PENSAM QUE AS CADEIRAS DO PODER SÃO ETERNAS….

PASSSEM A MENSAGEM. Todos faremos a diferença, para sermos devidamente e legalmente respeitados, como pessoas.
EXIJAM JUSTIÇA!

Twitter Digg Delicious Stumbleupon Technorati Facebook


4 Comentários para “Agrupamento de Escolas de Sabrosa”

  1. Rosa e cravo Flor Branca diz:

    Parece-me que todos os bons docentes profissionais, perseguidos, maltratados e magoados com os Diretores prepotentes, autocráticos sem investigação pedagógica efetuada, que passam a vida a tentar indiretamente fazer cabalas aos docentes reflexivos dinâmicos e democráticos, se deveriam juntar e enviar as suas queixas concretas para o Ministério que as desconhece por completo, sei de otimas escolas com diretores e coordenadores humanistas que tiveram muito bom em todos os parametros na qualificação externa, talvez a culpa também seja nossa por termos medo de futuras represálias. Há podres nas escolas que o MEC nem imagina. Juntemo-nos todos para as denunciar e a Deco poderia ser um bom “veículo”, talvez isto melhorasse um pouco o mau ambiente que se vive nalgumas escolas como: D.João II, Stª Onofre em Caldas da Rainha e Agrupamento Josefa de Óbidos em Óbidos, S.Martinho do Porto, onde muitos professores se queixam nos cafés, mas têm quase pavor em denunciar. Já chega de tanto provincionalismo, falta de Humanismo, de Direções que não trabalham para a qualidade rigor e Bem- comum de uma Instituição educativa, já chega de submições, intrigas, favoritismos, chantagens a que milhares de Docentes estão sujeitos por se submeterem a más Direções, haja uma forma digna de trabalhar com gosto, empenho dedicação, criatividade e amor e também a possibilidade de se poder levantar o veu dos maus ambientes que se vivem nalgumas escolas para se poder verdadeiramente qualificar e diferenciar os/as centenas ou milhares de bons/boas ou excelentes Diretores/as que felizmente também existem, olhe-se para o caso do Agrupamento de Oeiras e que ele sirva de exemplo formativo.
    De Rosa e Cravo Brancas Flores = Vários Docentes da Zona Oeste Docentes
    (P.S é favor não colocar o email) e apague-se este pedido Obrigado.

  2. nuno carvalho diz:

    Amiga,só com uma revolta global de todos aqueles que são e foram injustados é que isto endireita.
    Denunciaaos meios de comunicação social essas evidencias e fatos e verás como terás exito…força.boa sorte.

  3. nuno carvalho diz:

    AGORA EM SABROSA-VILA REAL É A GNR A SEGUIR E A MULTAR PRFESSORES,PARA MAIS NOTICIAS, LEÊM:
    Agora é o comportamento da GNR de Sabrosa, na ativa intervenção do quotidiano, motiva críticas de vários cidadãos, inclusive professores que exercem as suas funções neste concelho.
    Acusam um GNR DE SABROSA: OSVALDO TEIXEIRA, natural da aldeia de Vale Mendiz, com residência na aldeia de Souto Maior/Sabrosa Vila Real e em exercício de funções no posto da GNR de Sabrosa, de comportamentos, despropositados, provocatórios e intimidantes, SOBRETUDO AOS PROFESSORES…
    Diariamente, os docentes colocados no concelho de Sabrosa, confrontam-se com multas, depois do soldado acima citado os abordar, com atitudes verbais intimidatórias, ora durante os percursos que os docentes realizam, ora quando estes estão estacionados ou a estacionar.
    Tanto os professores como habitantes, manifestam o desagrado da atuação do soldado supracitado, tendo este já sido agredido fisicamente, por um cidadão de alcunha ”Espiga” por haver tido uma atitude pouco assertiva, para com um habitante do concelho.
    O comando da GNR de Sabrosa, parece que acompanha a “exaltação” do agente, com passividade e alguma inércia
    Durante o presente mês de Dezembro, só multas aos professores do Centro Escolar de Sabrosa, são e foram muitas! Isto porque o citado soldado da GNR tem o seu filho a frequentar este estabelecimento escolar e parece não lidar muito bem com normas e atitudes pedagógicas, que podem ser consultadas no Despacho n.º 10393/2010, publicado no Diário da República, 2.ª série — N.º 119 — 22 de Junho de 2010.Entre os diferentes articulados, o Artigo 2.º -Princípios gerais de conduta, podia ajudar!.
    Continuando:
    Os docentes são abordados quando o agente se encontra à civil, ou este lhe faz “perseguição”, ”espera” para conseguir os documentos do veículo em “operações auto-stop. Questiona-os, sobre diferentes coisas e se no dia X ou Y, não estavam no sítio W, ou Z. Outras vezes apenas se lembra de reproduzir locais de pretéritas multas…. depois envia contraordenação e coima para casa dos professores , com a devida assinatura do Sargento do Comando, ou cabo em substituição do sargento comandante, com a respetiva coima de penalização.
    O alegado agente, utiliza a viatura de serviço, para ir buscar o seu educando, desde 2009. Entra em recinto escolar devidamente fardado e não tem uma postura assertiva e pedagógica para com os cidadãos.
    Tais casos merecem ser devidamente auditoriados,pelas entidades superiormente hierárquicas, no intuito de não denegrir a imagem de uma classe que deve prestar um serviço pedagógico-cívico á sociedade e não ser promotor de contestação, revolta, intimidação, indignação, perseguções, fomentadores de violência, desentendimentos, mau relacionamento e ameaças de caris psicossocial.
    Cabe à GNR manter a serenidade a ordem e fomentar o civismo e o cumprimento legal das leis, sem perseguições e intimidações, coações, surgidas do nada.
    Se eles não mantêm essa postura, como devem exigir que os cidadãos a mantenham?
    O que as autoridades têm que fazer é evitar incidentes e não provocá-los.
    A própria postura física do soldado da GNR, OSVALDO TEIXEIRA, que costuma, entrar fardado no recinto escolar, já compromete o “imaginário infantil das crianças” e a sua especificidade na forma de abordagem que faz ao cidadão comum, diz muita coisa por si só.
    O comandante carece de ser questionado, por entidades superiormente hierárquicas, pelo contínuo e frequente desempenho do guarda supra, aquando da emissão e data da assinatura e testemunhas dos incidentes/contraindicações, que envolvem as multas avulsas, sem respetivas testemunhas.
    Tudo o que posso dizer é que vamos aguardar que a situação seja resolvida nas instâncias superiores e judiciais próprias, se a situação continuar.
    Nuno Carvalho – Advogado estagiário

  4. Maria Mendes diz:

    Estou simplesmente chocada e revoltada com a situação deste colega. A verdade é que esta situação se está a repetir em mais agrupamentos de escolas neste país que se diz democrático. A mim pessoalmente aconteceu-me a mesma situação no inicio do ano letivo 2010/2011, com o diretor do agrupamento de escolas Pêro da Covilhã, que apesar de ser das docentes com mais habilitações do grupo de Intervenção Precoce, me disse abusivamente e em tom arrogante que não me iria convidar para estas funções, porque tinha colhido informações desagradáveis acerca da minha pessoa (nunca me tinha visto nem eu a ele) e como tal não me convidaria. Mais acrescentou que iria dar preferência a colegas que já lá tivessem trabalhado. Ele não sabe é que eu vi em cima da sua secretária uma lista com os nomes de várias colegas, entre as quais estava uma, cuja referência era o nome do marido, amigo do diretor. Fica o desabafo. Maria Mendes

Deixa um comentário