Asneiras no Dicionário de Lingua Portuguesa da Porto Editora

No dia 07 / 12 / 2011, ao consultar um dicionário de Lingua Portuguesa da Porto Editora, qual não foi o meu espanto quando encontro na página 148 a palavra, e passo a escrever, além de ter vergonha de escrever… “C@r@lh0” com o respectivo significado que passo a citar: c@r@lh0, interj.vulg.exprime espanto, impaciência ou indignação. n.m.vulg.pénis.

Fiquei estupefacta pois nunca me tinha ocorrido a ideia de que essa palavra poderia constar de um dicionário. Resolvi procurar mais alguma e para meu espanto, encontrei na página 189 a palavra “C0n@”, na página 343 ” F0d€r”, “F0d€r-se”, “F0did0”, todas elas com os respectivos significados.

Como é possível tais palavras constarem de um dicionário utilizado por crianças, por adolescentes e adultos.

Enviei um mail, à editora responsável e a resposta que obtive foi a seguinte:

“…Não fazemos qualquer tipo de censura, nem aplicamos critérios subjetivos na seleção e no tratamento das palavras. Procuramos pelo contrario, descrever a lingua com rigor, assinalando como vulgarismos as palavras a que se refere “.

Ou seja a editora considera que tais palavras não passam de simples vulgarismos.

Eu gostaria que me informassem como é possivel educar crianças, a quem transmitimos os valores de educação em que não entram asneiras nem insultos, quando estes mesmos estão descritos no dicionário?

Que tipo de fiscalização têm estas editoras a nivel de conteudos, antes da publicação?

Inadmissível este facto!!

Alerto desta forma os Pais ou Encarregados de Educação que antes de adquirirem um dicionário, verifiquem se este possui uma linguagem adequada ou se contem Vulgarismos, que neste caso são asneiras das piores que qualquer pessoa civilizada e educada não se designa a dizer.

3 pensamentos em “Asneiras no Dicionário de Lingua Portuguesa da Porto Editora”

  1. Por alguma razão existe o dicionário básico da lingua portuguesa que é aquele amarelinho que é requerido para educar as crianças. Além disso com a facilidade de acesso a todos os conteudos da Internet, este é o menor problema da humanidade. Se existem palavras na língua portuguesa que são usadas no dia-a-dia e forem dessa forma adquiridas pelos hábitos da sociedade, faz todo o sentido que o dicionário inclua todas elas. O dicionário acompanha a evolução da lingua, muda-se e adapta-se. No fim de contas nao se trata de uma biblia.

  2. Um dicionário descreve a língua tal como ela é, e não como a santa senhora indignada gostava que fosse.
    Não é de estranhar que, desde o reino indignado da ignorância, a santa senhora reclame por FISCALIZAÇÃO. A fase seguinte costuma ser chorar pelo Salazar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *