Queixas | Hotelaria RSS Feed Desta Categoria

Hyatt hotel Montreal

Estamos de ferias no Canada, estivemos no hyatt em toronto, muito bom, mas, o de Montreal é um verdadeiro lixo, a recepção com funcionários sem interesse nenhum de agradar os hospedes, a decoração é um choque, muito moderno comparado aos outros hyatt, o café da manha horrível, só consegui comer uma torrada.

Fora que os funcionários vão retirado as comidas na tua cara como quem diz, sai fora acabou.

Vi uma cena lamentável da senhora que retirava a comida com um balde de plástico jogando tudo ali dentro, agora vc imagina a cozinha desse lugar…

Aqui não volto nem com 10 dias grátis… fora a noite de ano novo que teve de tudo ,gente que não estava no hotel nos quartos fazendo barulho as 05.00 da manha, brigas, estragaram o elevador, copos de cerveja e cerveja por todo corredor, gritaria por todo lado… te pergunto aonde estava a segurança desse hotel?

Lamentável, uma vergonha, depois falam do Brasil… acho que são eles que tem que aprender com a nossa cordialidade, simpatia, limpeza, comida em nossos hotéis 5 estrelas.

Pretexto Futuro Restauração

Ola venho por este meio fazer uma participação e uma denuncia da empresa onde neste momento me encontro a trabalhar esta denuncia consiste nos seguintes aspectos:
Descobri recentemente +- 2 meses que o meu patrão nao estava a fazer descontos a seg-social eu confrontei o meu patrão em relação a essa situação.
Agora esta a fazer descontos e esta a simular que os trabalhadores em questao estao a ganhar 300 euros e que so desconta sobre isso e ja desde o inicio do ano que a entidade patronal não passa recibos de vencimento.
O problema é que desde esse dia que eu o confrontei o meu patrão ele não me esta a pagar dentro o prazo estabelecido por lei que seria ate ao dia 3 de cada mês.
Onde tenho as contas desde agua,luz, casa ao banco e alimentação para pagar tudo em atraso porque a entidade patronal nao esta a ser correcta para todos os funcionarios e eu nesta situaçao não sei o que fazer.
Nesta empresa nunca foi feita uma inspecção e fiscalização porque so estamos abertos a 1ano eles nem a desfecçao a nivel de baratas e ratos fizeram com a H.a.c.c.p acabou o contrato e estao quase a 1 mês adiar o pagamento e ninguem faz nada, andam com ratoeiras na cozinha no chao e em cima dos moveis a casa nao lhe falta ratos e baratas na cozinha a comida esta sempre esposta aos insectos.
Nesta empresa tem a trabalhar pessoas que estão a receber o fundo de desemprego no total somos 6 funcionários um deles só part-time a segundas e quintas feiras.
Nunca trabalhei num restaurante sim isso mesmo estou a falar de um restaurante onde trabalho que não tem condições exigidas por lei e ninguém faz nada eles são uns aldraboes e uns vigaristas.
Como é que eles na caixa registadora têm uma empresa e um número contribuinte diferente das facturas e ate que ponto eles podem fazer uma coisa desses.
Pois nem ferias podemos tirar nem o subsidio de ferias nos estão a pagar eu neste momento so me falta mesmo andar a roubar para sustentar a minha família isso mesmo tenho dois filhos e uma mulher que neste momento esta em casa de baixa por gravidez eu gostava que me pudessem ajudar o mais rápido possível e quais os procedimentos que tenho que fazer para ver esta situação resolvida.
PRETEXTO FUTURO RESTAURAÇÃO, LDANome: PRETEXTO FUTURO – RESTAURAÇÃO, LDA
Morada: RUA DO BONJARDIM, 726
Código Postal: 4000-119
Localidade: PORTO
CAE: 56101 – Restaurantes tipo tradicional
Aguardo atenciosamente uma resposta da sua parte ou contacte

A Vida é Bela e a Inatel

Foi-me oferecido um voucher REFÚGIOS DUAS NOITES COM JANTAR, o qual é apresentado como; …mais do que um mero presente, Refúgios a Dois com Jantar celebra toda a beleza exuberante que sobressai pelas diversas regiões do território nacional.

Esta selecção de alojamentos espera pela sua visita e não vai poupar esforços para o agradar. Além da tradicional simpatia e hospitalidade de cada localidade, espera-o também uma refeição acompanhada por aquilo que de melhor se faz no mundo da gastronomia! Pegue na sua cara-metade e parta à descoberta de um país que muito tem para lhe revelar…

Tendo em conta o livro em anexo com as opções de alojamento, de Norte a Sul do país, escolhi o INATEL de São Pedro do Sul. Telefonei, fiz a reserva e fiz questão de frisar que tinha um bebé de 7 meses e por tal, iria precisar de um berço e, voltei a frisar se haveria alguma taxa extra a pagar tendo em conta o bebé. Foi me dito que não havia nenhuma taxa a pagar e que seria colocado no quarto o respectivo berço.

Muito bem, alegre e contente, ao final de uma tarde radiante e de sol, a 29 de Abril, dirigi-me a respectiva unidade hoteleira, que fica aproximadamente a 200 quilómetros de minha residência. Cheguei a São Pedro do Sul por volta das 21:30, fiz o check in e….., começaram os problemas.

Foi-me atribuído um quarto no 2º piso. Para lá chegar tive que andar por um corredor 150/200 metros, apanhar o elevador, que só parou no 3ª piso. Ao verificar a sinalética percebi que tinha de descer pelas escadas ao referido 2º piso.

Ao chegar ao quarto, a principio, de um hotel 4 estrelas, depois de toda a ginástica e em especial com um bebé de colo e respectiva “bagagem”, deparo-me com um quarto minúsculo, assim como a cama, apropriada para anões, no comprimento e na largura, com o berço “encavalitado” ao lado da janela. O pé direito tinha no máximo 2,10 metros, por tal, de acordo com o dispositivo legal vigente, em desacordo com o mínimo estipulado por lei.

Ainda a meio da apreciação do belo espectáculo, toca o telefone, era a recepcionista, muito aflita, a dizer-nos que “os senhores só têm direito a um jantar e têm que escolher IMEDIATAMENTE, se vão jantar agora ou amanhã”. Disse a senhora que sabíamos perfeitamente que o pacote contemplava apenas um jantar e além do mais, já tínhamos jantado….muito agradecido pela preocupação…..

Continuando o périplo, abro a porta da casa de banho e …”Jesus Cristo”, um poliban com cortina de plástico “num hotel 4 estrelas ???”, que fica completamente obstruído com a abertura da porta da casa de banho, ou seja, tem-se que entrar no cubículo, digo casa de banho, encostar-se a parede , fechar a porta e ai sim, ter acesso ao retemperador banho quente, que na verdade era banho a ferver ou frio, sem meio termo.

Pois é, não foi possível entrar em acordo com as torneiras e o misturador de água, pois esta, teimosamente, aparecia ou a ferver ou fria, “será um tratamento termal ou coisa parecida, mas esta regalia não faz parte do pacote??”, sem contar que o chuveiro não parava quieto, literalmente dançava ao sabor da quantidade de água quente ou fria.

Fiquei maravilhado com o “banho termal e dançante”. Dar banho a bebé ??. Nem pensar, o pacote não inclui um seguro contra queimaduras e ou pneumonias.

O berço teve que ser forrado com um cobertor, pois o mesmo não tinha colchão, mais uma amenidade das 4 estrelas do Inatel São Pedro do Sul.

Não fui nessa noite a recepção reclamar porque, tendo em conta o telefonema completamente estúpido que tinha recebido a cerca do jantar, achei melhor esperar pela manhã seguinte, na esperança de haver menos estupidez. Bem, no mínimo a estupidez seria outra.

Depois da bela noite, num dos melhores, quiçá no melhor hotel da maior estancia termal do país, fomos ao pequeno almoço e,…em comparação o pequeno almoço do Íbis devia ser classificado como 7 estrelas, deviam ter vergonha de apresentar um pequeno almoço desta qualidade num hotel 4 estrelas, ou então retirem pelo menos 3 das estrelas.

Fomos a recepção, expus a situação e a “estupidez” de serviço pediu-nos o nº do telemóvel (já o tinha facultado, quando da reserva e do check in, mas a senhora fez questão de confirmar o número, até porque as pessoas tem a mania de dar números de telefone falsos) e que nos “diria alguma coisa assim que possível”.

Ligou-nos após 40/50 minutos para que passássemos na recepção para“pegar outra chave” para a troca do quarto, mas que tínhamos que ser nós a fazer a transferência da bagagem. Também não tinha pedido que o fizessem, mas mesmo assim, ”a senhora da recepção” fez questão de voltar a frisar que a “transferência” era por nossa conta, com excepção do berço,”que ficaria por conta do hotel” !!!!?????? Será que, por um minuto que seja pensaram “em me obrigarem” a fazer a “transferência” do berço ???

Depois da “transferência”, 150/200 metros, sobe e desce escadas, “para lá e para cá, mesmo que seja por duas noites a presença de um bebé implica em bagagem acrescida.Foi necessário fazer “duas viagens”, e apesar do quarto ser manifestamente melhor, com pé direito que permitia respirar, a casa de banho tinha o “maldito” poliban e o “tratamento termal, a ferver e frio mantinha-se”.

Mudança feita, “banho” tomado, e….já são 13:00 horas. Nunca demorei tanto para fazer um check in, numa estadia de 2 noites, das 21:30 as 13:00 horas.

Saímos do hotel as 13:15 e, afinal a vida pode ser bela. Passamos uma bela tarde com passeio pela Vila de São Pedro do Sul, Serra do Caramulo e Viseu.

Retornamos ao “hotel” para jantar, afinal nem tudo pode ser mau e, infelizmente estávamos enganados, realmente tudo é mau neste “hotel”.

O menu era composto de entradas (salada de tomate e alface com aspecto de não serem minimamente frescos, couves de Bruxelas “com um tipo de gosma”, salada de feijão vermelho (em lata) com cenoura cozida, peixe grelhado e esturricado, mesmo, mesmo preto, batatas cozidas desfeitas (ou era puré ??), pedaços de carne a boiar num molho de ????? e de sobremesa, leite creme (pré fabricado e completamente “esmigalhado” a boiar numa calda de açúcar aguada, gelatina esverdeada a desmanchar, bananas e laranjas. O vinho estava óptimo, Quinta da Aveleda a um bom preço, 8 euros.

Ao retornar ao quarto, depois do repasto, somos interpelados por uma camareira, em tom furioso, a perguntar-nos onde estava o cobertor do outro quarto, ……não fossemos nós, por engano, levar aquele maravilhoso cobertor para casa.

Expliquei calmamente a senhora, afinal “ o céu pertence aos pacientes”, que o cobertor estava a fazer de colchão no berço da bebé, que apesar da troca de quarto não tinham encontrado um colchão e o berço veio como estava do quarto anterior, ou seja, com o valioso, insubstituível e mal cheiroso cobertor a “fingir” de colchão.

Pela manhã dirigimo-nos a recepção para o ansioso e esperado check out e a estupidez de serviço, Sua Excelência Reverendíssima, de nome, José Almeida, com um olhar e tom de voz muito grave apresenta-me uma conta de 18 (dezoito) euros, 08 euros correspondentes ao vinho e 10 euros correspondente a um jantar !!!!?????

Digo-lhe educadamente que o “jantar” faz parte do pacote e este retruca de forma grosseira que “não senhor, é apenas um jantar, uma pessoa, como foram duas pessoas, são dois jantares e o pacote só inclui um jantar e por tal teria que pagar “um jantar”.

Disse ao senhor que apesar do “jantar” ser barato, (tendo em conta a qualidade do tal jantar até é muito caro), não pagava os tais 10 euros e se quisesse que chamasse a polícia.

Mais uma vez de forma muito grosseira e mal educada imprime uma nova factura com apenas o valor do vinho, rasga a anterior e diz em voz alta que tínhamos comido e que não pagamos a conta, tendo obviamente a presença de outras pessoas a fazer o check out, as quais ficaram chocadas com a atitude desse senhor, pois para além do espectáculo deplorável proporcionado por esta “criatura de Deus” , também se sentiam enganados com a “qualidade” do hotel.

Viemos embora, sempre a espreita pelo retrovisor, “com medo” que tivéssemos a autoridades policiais no nosso encalço ou se calhar até uma barreira policial em plena auto-estrada.

Esta situação é inaceitável e os únicos culpados, do ponto de vista legal, são vossas excelências, digo Matriz Marketing Lda.

Adquiri um produto comercializado por vós e por tal, de acordo com o dispositivo legal vigente, vossas excelências são os responsáveis por tal produto.

Vocês, é que têm que assegurar que o parceiro cumpre o que vossas excelências publicitam e vendem.

A situação é do ponto de vista legal, claramente um caso de propaganda enganosa e até de estelionato ( obter para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil ou qualquer outro meio fraudulento ), sem falar em calúnia e difamação, pois o representante de vosso parceiro, acusou-nos em público “de comer e não pagar”.

Para além do valor pago pelo voucher e das despesas da deslocação (gasóleo para 400 quilómetros e portagens classe 2), a vossa empresa nos proporcionou, de acordo com o descrito, um fim de semana verdadeiramente inesquecível.