Queixas A Vida é Bela

Voucher da “A Vida é Bela”

Sou portadora de um voucher “Fins de Semana de Charme” da referida empresa.

Já tive reserva efectuada numa das Pousadas indicadas no Voucher para Julho deste ano. Todavia tive de cancelar, atempadamente, o mesmo devido a prolemas de saúde de um familiar.

Neste momento, já contactei com vários parceiros indicados no Voucher para fazer uma reserva e todos me responderam – principalmente o Grupo Pousadas de Portugal – que não aceitam voucher`s da Vida é Bela por, alegadamente, a empresa em causa não proceder ao pagamento devido junto dos parceiros.

Fiquei surpreendida, não obstante as notícias recentes na comunicação social, uma vez que já não era a primeira vez que comprava um voucher desta empresa e sempre o serviço foi prestado com qualidade.

O referido Voucher custou €134,90 e apenas é válido até 31 de Dezembro do corrente ano.

Pelo exposto e por não consiguir reservar nos parceiros que tinha escolhido e noutros (como 2ª escolha), pretendo reaver o montante que paguei pelo referido voucher.

Cristina Braz

A Vida é Bela Fraudes

Boa noite meus senhores, eu tinha uma experiência de um fim de semana da A vida é bela que tinha que gozar até ao final do ano.

Tentei marcar em Outubro para vários hóteis, os quais diziam não ter vagas, não aceitar por não cumptimento da Vida e Bela, mas no fim lá consegui marcar para um este fim de semana que se passou.

Quer a Vida é Bela quer a dona do local onde iria ficar confirmaram-me logo no dia a seguir à reserva e eu, contentissima, fiquei descansada.

No sábado pusemo-nos a caminho, quando já quase em cima da hora de fazer o chek in, a sra da quinta nos liga a dizer que a Vida é Bela não ia assumir os compromissos com eles e que se quisessemos lá ficar teriamos de pagar o valor de 50 euros (que simpaticamente nos faria o mesmo valor).

Pelos vistos a Vida é Bela mandou um email a dizer que dado à situação dos mercados teriam que cessar actividade pelo que ficaria sem efeito qualquer marcação feita até à data. Esse email foi-lhe enviado às 21 horas da véspera da reserva, mas para mim a Vida é Bela só mandou no Domingo, já depois de ter acontecido…

Enfim depois de os tentar contactar (telefone, email, via facebook) nunca fui atendida, a página do facebook desapareceu, logo essa que estava cheia de queixas, o site não dá mais hipótese da opção de reserva, enfim desapareceram do mapa. No entanto, reparei que no Brasil eles têm o site a funcionar, continuam inclusivé a vender experiências no país e a fazer reservas.

A conclusão a que se chega é que ficamos todos sem o nosso dinheiro, o Sr. António Quina pôs-se a andar para o Brasil com a sua nova esposa (nacionalidade brasileira) e com o dinheirinho que foi juntando à conta do pato portugês.

Agora há que investir em mercados em crescimento já que nós, pobrezinhos, estamos na penúria e não conseguimos garantir a mesma fonte de rendimento.

Além do mais alguém tinha que pagar o investimento feito para lançar o Vida e Bela no Brasil, ora aí está certamente o destino do dinheiro que foi necessário para investir além fronteiras.

E agora? Digam adeus que não voltam a ver tostão, nem eu!

A Vida é Bela e a Inatel

Foi-me oferecido um voucher REFÚGIOS DUAS NOITES COM JANTAR, o qual é apresentado como; …mais do que um mero presente, Refúgios a Dois com Jantar celebra toda a beleza exuberante que sobressai pelas diversas regiões do território nacional.

Esta selecção de alojamentos espera pela sua visita e não vai poupar esforços para o agradar. Além da tradicional simpatia e hospitalidade de cada localidade, espera-o também uma refeição acompanhada por aquilo que de melhor se faz no mundo da gastronomia! Pegue na sua cara-metade e parta à descoberta de um país que muito tem para lhe revelar…

Tendo em conta o livro em anexo com as opções de alojamento, de Norte a Sul do país, escolhi o INATEL de São Pedro do Sul. Telefonei, fiz a reserva e fiz questão de frisar que tinha um bebé de 7 meses e por tal, iria precisar de um berço e, voltei a frisar se haveria alguma taxa extra a pagar tendo em conta o bebé. Foi me dito que não havia nenhuma taxa a pagar e que seria colocado no quarto o respectivo berço.

Muito bem, alegre e contente, ao final de uma tarde radiante e de sol, a 29 de Abril, dirigi-me a respectiva unidade hoteleira, que fica aproximadamente a 200 quilómetros de minha residência. Cheguei a São Pedro do Sul por volta das 21:30, fiz o check in e….., começaram os problemas.

Foi-me atribuído um quarto no 2º piso. Para lá chegar tive que andar por um corredor 150/200 metros, apanhar o elevador, que só parou no 3ª piso. Ao verificar a sinalética percebi que tinha de descer pelas escadas ao referido 2º piso.

Ao chegar ao quarto, a principio, de um hotel 4 estrelas, depois de toda a ginástica e em especial com um bebé de colo e respectiva “bagagem”, deparo-me com um quarto minúsculo, assim como a cama, apropriada para anões, no comprimento e na largura, com o berço “encavalitado” ao lado da janela. O pé direito tinha no máximo 2,10 metros, por tal, de acordo com o dispositivo legal vigente, em desacordo com o mínimo estipulado por lei.

Ainda a meio da apreciação do belo espectáculo, toca o telefone, era a recepcionista, muito aflita, a dizer-nos que “os senhores só têm direito a um jantar e têm que escolher IMEDIATAMENTE, se vão jantar agora ou amanhã”. Disse a senhora que sabíamos perfeitamente que o pacote contemplava apenas um jantar e além do mais, já tínhamos jantado….muito agradecido pela preocupação…..

Continuando o périplo, abro a porta da casa de banho e …”Jesus Cristo”, um poliban com cortina de plástico “num hotel 4 estrelas ???”, que fica completamente obstruído com a abertura da porta da casa de banho, ou seja, tem-se que entrar no cubículo, digo casa de banho, encostar-se a parede , fechar a porta e ai sim, ter acesso ao retemperador banho quente, que na verdade era banho a ferver ou frio, sem meio termo.

Pois é, não foi possível entrar em acordo com as torneiras e o misturador de água, pois esta, teimosamente, aparecia ou a ferver ou fria, “será um tratamento termal ou coisa parecida, mas esta regalia não faz parte do pacote??”, sem contar que o chuveiro não parava quieto, literalmente dançava ao sabor da quantidade de água quente ou fria.

Fiquei maravilhado com o “banho termal e dançante”. Dar banho a bebé ??. Nem pensar, o pacote não inclui um seguro contra queimaduras e ou pneumonias.

O berço teve que ser forrado com um cobertor, pois o mesmo não tinha colchão, mais uma amenidade das 4 estrelas do Inatel São Pedro do Sul.

Não fui nessa noite a recepção reclamar porque, tendo em conta o telefonema completamente estúpido que tinha recebido a cerca do jantar, achei melhor esperar pela manhã seguinte, na esperança de haver menos estupidez. Bem, no mínimo a estupidez seria outra.

Depois da bela noite, num dos melhores, quiçá no melhor hotel da maior estancia termal do país, fomos ao pequeno almoço e,…em comparação o pequeno almoço do Íbis devia ser classificado como 7 estrelas, deviam ter vergonha de apresentar um pequeno almoço desta qualidade num hotel 4 estrelas, ou então retirem pelo menos 3 das estrelas.

Fomos a recepção, expus a situação e a “estupidez” de serviço pediu-nos o nº do telemóvel (já o tinha facultado, quando da reserva e do check in, mas a senhora fez questão de confirmar o número, até porque as pessoas tem a mania de dar números de telefone falsos) e que nos “diria alguma coisa assim que possível”.

Ligou-nos após 40/50 minutos para que passássemos na recepção para“pegar outra chave” para a troca do quarto, mas que tínhamos que ser nós a fazer a transferência da bagagem. Também não tinha pedido que o fizessem, mas mesmo assim, ”a senhora da recepção” fez questão de voltar a frisar que a “transferência” era por nossa conta, com excepção do berço,”que ficaria por conta do hotel” !!!!?????? Será que, por um minuto que seja pensaram “em me obrigarem” a fazer a “transferência” do berço ???

Depois da “transferência”, 150/200 metros, sobe e desce escadas, “para lá e para cá, mesmo que seja por duas noites a presença de um bebé implica em bagagem acrescida.Foi necessário fazer “duas viagens”, e apesar do quarto ser manifestamente melhor, com pé direito que permitia respirar, a casa de banho tinha o “maldito” poliban e o “tratamento termal, a ferver e frio mantinha-se”.

Mudança feita, “banho” tomado, e….já são 13:00 horas. Nunca demorei tanto para fazer um check in, numa estadia de 2 noites, das 21:30 as 13:00 horas.

Saímos do hotel as 13:15 e, afinal a vida pode ser bela. Passamos uma bela tarde com passeio pela Vila de São Pedro do Sul, Serra do Caramulo e Viseu.

Retornamos ao “hotel” para jantar, afinal nem tudo pode ser mau e, infelizmente estávamos enganados, realmente tudo é mau neste “hotel”.

O menu era composto de entradas (salada de tomate e alface com aspecto de não serem minimamente frescos, couves de Bruxelas “com um tipo de gosma”, salada de feijão vermelho (em lata) com cenoura cozida, peixe grelhado e esturricado, mesmo, mesmo preto, batatas cozidas desfeitas (ou era puré ??), pedaços de carne a boiar num molho de ????? e de sobremesa, leite creme (pré fabricado e completamente “esmigalhado” a boiar numa calda de açúcar aguada, gelatina esverdeada a desmanchar, bananas e laranjas. O vinho estava óptimo, Quinta da Aveleda a um bom preço, 8 euros.

Ao retornar ao quarto, depois do repasto, somos interpelados por uma camareira, em tom furioso, a perguntar-nos onde estava o cobertor do outro quarto, ……não fossemos nós, por engano, levar aquele maravilhoso cobertor para casa.

Expliquei calmamente a senhora, afinal “ o céu pertence aos pacientes”, que o cobertor estava a fazer de colchão no berço da bebé, que apesar da troca de quarto não tinham encontrado um colchão e o berço veio como estava do quarto anterior, ou seja, com o valioso, insubstituível e mal cheiroso cobertor a “fingir” de colchão.

Pela manhã dirigimo-nos a recepção para o ansioso e esperado check out e a estupidez de serviço, Sua Excelência Reverendíssima, de nome, José Almeida, com um olhar e tom de voz muito grave apresenta-me uma conta de 18 (dezoito) euros, 08 euros correspondentes ao vinho e 10 euros correspondente a um jantar !!!!?????

Digo-lhe educadamente que o “jantar” faz parte do pacote e este retruca de forma grosseira que “não senhor, é apenas um jantar, uma pessoa, como foram duas pessoas, são dois jantares e o pacote só inclui um jantar e por tal teria que pagar “um jantar”.

Disse ao senhor que apesar do “jantar” ser barato, (tendo em conta a qualidade do tal jantar até é muito caro), não pagava os tais 10 euros e se quisesse que chamasse a polícia.

Mais uma vez de forma muito grosseira e mal educada imprime uma nova factura com apenas o valor do vinho, rasga a anterior e diz em voz alta que tínhamos comido e que não pagamos a conta, tendo obviamente a presença de outras pessoas a fazer o check out, as quais ficaram chocadas com a atitude desse senhor, pois para além do espectáculo deplorável proporcionado por esta “criatura de Deus” , também se sentiam enganados com a “qualidade” do hotel.

Viemos embora, sempre a espreita pelo retrovisor, “com medo” que tivéssemos a autoridades policiais no nosso encalço ou se calhar até uma barreira policial em plena auto-estrada.

Esta situação é inaceitável e os únicos culpados, do ponto de vista legal, são vossas excelências, digo Matriz Marketing Lda.

Adquiri um produto comercializado por vós e por tal, de acordo com o dispositivo legal vigente, vossas excelências são os responsáveis por tal produto.

Vocês, é que têm que assegurar que o parceiro cumpre o que vossas excelências publicitam e vendem.

A situação é do ponto de vista legal, claramente um caso de propaganda enganosa e até de estelionato ( obter para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil ou qualquer outro meio fraudulento ), sem falar em calúnia e difamação, pois o representante de vosso parceiro, acusou-nos em público “de comer e não pagar”.

Para além do valor pago pelo voucher e das despesas da deslocação (gasóleo para 400 quilómetros e portagens classe 2), a vossa empresa nos proporcionou, de acordo com o descrito, um fim de semana verdadeiramente inesquecível.