Roubo do Ponta Grande Resort em Sesmarias, S.Rafael, Albufeira

Deixo aqui a denúncia de uma técnica de marketing cujo o único propósito é roubar o que podem às pessoas que de boa fé vão ao seu encontro.

Fui parar ao Ponta Grande Resort através de um voucher de oferta de uma semana no Algarve. Quando lá cheguei para desfrutar desta semana vi-me a ser dirigida para outro empreendimento do grupo que de nada é de 4 estrelas e ainda com a obrigação de receber uma visita guiada ao empreendimento Ponta Grande Resort no dia seguinte.

Como empresária que sou e pelas vantagens que me ofereceram julguei tal como outras empresas também consideraram (como se vê no mercado) em usar vouchers deste empreendimento para oferecer aos meus clientes e adquiri (pensei eu) uma semana de férias durante 29 anos pagando à cabeça 30 % do valor de contrato. Pois isto se houve-se contrato pois o que aconteceu simplesmente foi roubarem-me 3.500€ com um sorriso nos lábios e um aperto de mão.

Falsos! Vigaristas!

Como é que uma empresa se convence que assim vai a algum lado. Pode até enganar uns quantos mas chega o momento do fim e por vezes mais breve do que julgam.

Santa Ignorância!

Portanto se depender de mim vou divulgar esta informação o mais tempo que me for possível até ao momento que actuem com dignidade e me devolvam o sinal de um contrato que não existe.

Já pedi o reembolso e até ao momento fazem orelhas mocas.

Acreditam que ao procederem assim são muito espertos e inteligentes e que arrecadam valores mas a verdade é que com o tempo apenas estão cada vez mais pobres até que irão chegar à ruptura.

Com estas acções apenas atraem escassez e nunca a abundância.

Twitter Digg Delicious Stumbleupon Technorati Facebook


15 Comentários para “Roubo do Ponta Grande Resort em Sesmarias, S.Rafael, Albufeira”

  1. José Coutinho diz:

    Boas tardes a todos, aos burlados, aos burlões, aos assistentes de burlões e aos facilitadores de burlas! Todos juntos no mesmo site, engraçado…
    Fui enganado, iludido e levado a comprar um produto que depois de assinado o contrato nada tinha a ver com o que me tinha sido vendido oralmente, por gente que veste o fato da competência na arte do ilusionismo… Adiante….
    Isto aconteceu em Março de 2012… Estou a avançar judicialmente contra o Club Ponta Grande, por me sentir burlado, e como a burla é um crime público é o próprio MP que enceta diligências, após queixa por parte da vítima de burla, para apurar responsabilidades, caso estas existam!… Gostaria de saber se alguém daqui já iniciou processo judicial contra estes Gulosos do Alheio, quantos mais forem a fazer queixa, mais força terá a nossa acção judicial, podendo o MP juntar tudo num processo, após verificar haver indícios da prática de crime, que na minha opinião, não suscitam quaisquer dúvidas de que ela ocorreu e vezes sem conta!
    Para podermos terminar com essa CORJA de Gulosos do Alheio fica aqui o meu email para juntos combinarmos estratégias para reavermos o nosso dinheiro: j_coutinho@sapo.pt
    Ai dispor!
    Cumprimentos civilizados e sem burlas! 😉

  2. nuno diz:

    São 1 cambada de aldrabões. pressionam as pessoas para assinar na hora. se fossem 1 empresa honesta porque não deixam por exemplo levar o contrato para o ler todo mais as letras pequenas e voltar no dia seguinte? porque sabem que se as pessoas lerem bem tudo 99,9% das pessoas não assinavam aquela m….

  3. Violante diz:

    Eu como já conhecia esse conceito de férias e tenho em outro empreendimento que só tenho a dizer bem, achei que seria mais uma boa aquisição, feito todo o procedimento de assinaturas de contracto e transferências bancárias, não tendo de momento a totalidade disponivél, seria efectuado o restante deposito assim que eu chegasse de férias e me dirijisse á minha depêndencia bancária. Liguei ao colaborador que tinha sido o respresentante e responsavél o qual me envio o NIB para a restante trânsferencia. Recebi a prova de trânsferencia. Após algum tempo foi-me dito que o dinheiro tinha sido desviado pelo tal colaborador mas que o Ponta Grande assumia devido ser um seu colaborador, mais tarde veio dar o dito pelo não dito. Como sócia da DECO expus-lhe o meu caso que neste momento está entregue á DECO. Espero que esses senhores aprendam a respeitar o consumidor.

  4. Sofia diz:

    Sei que muitas vezes é dificel aceitar que cometenmos erros, mas desculpem de certeza que ninguém vos apontou armas para investirem. Eu propria já assisti a várias palestas, de diferentes produtos e nunca ninguém me obrigou a fazer o que não queria.

    • Maria diz:

      A sra Sofia e outros stisfeitinhos da Silva que por aqui mandam bitaites devem ser angariadores/colaboradores/empregados desses burlões desqualificados. Só podem ser! De outro jeito, não se compreende que concordem com a técnica fraudulenta de persuadir/coagir desses vigaristas.
      Perante tanta queixa de burla, será que não há quem ponha a mão a estes ladrões e os obrigue a devolver 10 vezes o que nos têm roubado, mais juros?

  5. Nelson Ferreira diz:

    Sou obrigado a comentar, depois do que me aconteceu, tudo aquilo que ultimamente tenho lido e ouvido acerca do Ponta Grande.
    Passei uma semana no Carvoeiro, a preço muito reduzido e “participei numa conversa” de mais ou menos 300 minutos (acham muito?), pois eu e a minha esposa, não.
    As férias foram otimas, num ambiente calmo e agradável.
    Conhecemos uma modalidade de comprar férias de forma antecipada, que nos parece claramente vantajosa para quem faz férias regularmente. Devo dizer que não ficamos associados, nem me obrigaram, pressionaram ou amarraram para que assim fosse.
    A promotora ou vendedora, foi uma profissional exemplar, do melhor com quem já conversei, mas acima de tudo foi sempre esclarecedora e correta.
    Nunca tive dúvidas, acerca daquilo que me estavam a apresentar e o que significava em termos futuros.
    Acho errado que alguém não tenho conseguido argumentar as razões pelas quais não queriam ser sócios e agora virem comentar de forma caluniosa, pessoas e instituições.
    Envio cumprimentos da família para o Ponta Grande e para a sua colaboradora C. S.

  6. RUI CAETANO diz:

    esta gente esta fora de si nao sabem o que dizem haviam de ouvir e ver os que estao completamente satisfeitos……
    ha 50 anos que e usado o sistema de club de ferias mas isto e so para alguns…..
    deus vos perdoe de dizer tanto mal de uma esplendida alternativa compensadora no tempo e so fazer contas…que e o que nao sabem.

  7. Tininha diz:

    Também fui uma “feliz contemplada” com um voucher para um fim de semana no ponta grande resort, mas como gosto sempre de pesquisar sobre os sitios fiquei logo a saber para o que ia. Como é claro tive que assistir à dita apresentação que referia na oferta que não seria inferior a 90 minutos, pelo que ouvi o que tinham a dizer durante 90 minutos e depois despachei a situação. Os senhores não ficaram muito contentes, mas visto que era impossivel convencer-me, deram a apresentação por terminada. Quanto a mim, aproveitei o fim de semana em familia, a um preço reduzido, e ainda aproveitei as ofertas e descontos que nos eram oferecidas com o voucher.

  8. Marques diz:

    Eu acabei que cair na mesma trama este fim de semana passado. Sempre fui bastante cética em relação a estas situações e não sei como caí. Felizmente não enviei a papelada do crédito. Agora vou anular o contrato e reaver o seu dinheiro que paguei logo no dia. Logo não fui a net saber mais sobre este ponta grande e a fraude que está envolvido.

  9. Helena diz:

    Gostaria de saber se alguém avançou judicialmente contra estes srs., ou se estariam disponíveis para o fazer.

  10. rosa diz:

    Eu também fui uma das vitimas. No ano de 2009 na raspadinha da desgraça foi-me oferecida uma semana de férias no Balaia Plaza, aí começou o tormento que dura até aos dias de hoje!!! A firma com quem fiz o contrato SOLLIFE faliu passados poucos meses tendo o Ponta Grande entrado em contacto para eu gozar a semana de oferta e dando-me a possibilidade de assinar um novo contracto com eles, fazendo o desconto do que paguei à SOLLIFE só vigarice…
    Entreguei o assunto a um advogado, mas até agora nada!!! Só dinheiro gasto!!! Como é possível que esta gente continue a enganar-nos e ninguém faça nada? Ainda estou esperançada que seja feita justiça.
    Que Deus nos ajude! :)))

  11. ELISABETH diz:

    Eu também fui uma de muitas vitimas do ponta grande, depois de nos terem feito uma grande lavagem ao cérebro deixei 1.000 euros. Quando regressamos a casa caímos em nós e dentro do prazo limite enviei a carta registada a pedir a anulação do contrato. Não se deram por vencidos e insistiram para que enviassemos os documentos de irs, para fazerem o pedido de credito à Credibom (esta foi a parte melhor porque não podiam avançar com o pedido de crédito sem a nossa declaração). Aconselho-vos a não deixarem passar tanto tempo, sem ligar ou contactar com eles. Reavemos o nosso dinheiro em Dezembro desse mesmo ano (6 meses). Fui uma melga porque fui sempre ligando e disse-lhes que sabia que eles faziam as transferências no final e ínicio do ano para pagarem as semanas de férias aos clientes. Um conselho, quem não tiver dinheiro para um advogado ou acha que depois com os honorários dele (advogado) acaba por não reaver o dinheiro investido, vá ligando e enviando e.mails. Contactei também com um mediador de conflitos no Algarve, mas acho que não me ajudaram muito. Enviei o meu caso às televisões (rtp, sic. tvi) para denunciarem estes casos mas nunca me deram resposta (por vez com assuntos menos significantes fazem logo uma reportagem, nos nossos casos nunca apareceu nehuma reportagem).Não desistem e sobrtudo não deixem cair o vosso caso no esquecimento. Quando alguém for visitar o resort nunca mas nunca leve documentos, isto para que eles não se possam antecipar com papelada.

  12. ferreira diz:

    Sou mais um vigarizado pelo Ponta Grande. E sem meios financeiros para advogados, vejo perdido o meu investimento.

  13. Carruna diz:

    Ponta grande Resort, Vacacion Club, Selling
    Power Lda.
    Tudo é tudo a mesmas pessoas, uma cambada de vigaristas, é pena as autoridades deste país não investigarem estas pessoas.
    O sistema utilizado é mafioso, mas quase legal, quem compra uma semana de férias por 5, 10 ou 20 anos, tem de pagar a jóia ao clube dos mafiosos, o montante varia conforme a época, verão, primavera, outono ou inverno, Agora a cota para a manutenção 250 ou 300 € é o preço a pagar pelo apartamento para a semana, e se não pagar a cota não tem direito a passar as férias. Agora o financiamento por vigaristas do Cetelem, Credibom e outros faz parte do negócio para ser mais rentável.

Deixa um comentário