TAP

Lamentável o tratamento que uma companhia de bandeira, como a TAP, dá aos seus clientes.

Não tenho dados, mas pelos elementos que recolhi, o voo para Valência/Lisboa (e vice versa) deve ser o recordista em bagagens que “NÃO SEGUEM”, e este é o termo correcto, pois devido às limitações do avião, as mesmas são deliberadamente deixadas em terra.

Mete dó uma empresa ter um posicionamento destes perante os seus clientes, caso não saibam, a qualidade nos serviços não é algo a que uma empresa se proponha atingir, ou ela tem essa qualidade ou não têm, e a TAP, na referida rota, anda aos papéis, parece uma transportadora de vão de escada, assim caso não tenha condições de efectuar o serviço com qualidade, deverá abandonar esta prestação.

É conhecido que esta rota tem picos que são ocasionados pelas partidas/chegadas dos cruzeiros (Domingos), qual a razão então pela qual para este dia não é reforçada a oferta?

A utilização de um meio que pudesse acomodar todas as bagagens dos passageiros poderia fidelizar clientes e eliminar hostilidades que se vão propagando de boca em boca a conhecidos e amigos, levando nestes potenciais futuros clientes, à criação de estigmas perante a utilização desta rota operada por parte da TAP.
Queixas TAP
Haverá pior pavor do que projectar umas férias de sonho, e estas poderem ser comprometidas por factores exógenos?

É ainda chocante que a TAP potencie a criação de GAP’s, ao vender um serviço que inclui bagagens (20kg), e saber de antemão que se vender toda a lotação do voo onde os passageiros transportam o limite de bagagem permitido, parte da mesma ter de ficar retida por incapacidade do avião as transportar. Como é sabido, os senhores comercializam serviços, e os serviços são vendidos e só posteriormente utilizados, assim esta relação comercial utiliza uma base de confiança que o cliente dá ao prestador do serviço.

Façam agora um pequeno exercício mental:

– Qual seria o vosso posicionamento perante um prestador de serviços que se comporte como a TAP se comporta nesta rota? (Sejam honestos e críticos nesta análise, pois só assim poderão evoluir perante as criticas que vos são colocadas).

Para terminar, é vergonhoso que esta situação tenha levado à intervenção da Guarda Civil espanhola no aeroporto de Valência no voo TP795 de 12 de Junho de 2011 com partida marcada às 17.45. Foi triste verificar que o pessoal da placa, bem como a própria guarda já tinha este problema identificado, e apontava a TAP como incapaz de resolver a situação.

Espero efectuar mais cruzeiros, MAS NÃO VOU UTILIZAR OS NOVAMENTE OS VOSSOS SERVIÇOS NESTAS CONDIÇÕES.

Reclamção FC2011-14985.

O prazo indicado pela TAP para uma resposta seria de 8 semanas, mas parece-me que percebi mal e será de 8 meses o que foi indicado??? A ver vamos.

By: José Oliveira

Twitter Digg Delicious Stumbleupon Technorati Facebook


Deixa um comentário